Publicada em 03/11/2011 - 16:58
Lorota,Castelo caiu e Impasse

Por: Robson Oliveira

Resenha política Robson Oliveira



Lorota
As ameaças feitas pelo PPS e PT contra o deputado federal Moreira Mendes e o estadual Hermínio Coelho por deixarem as respectivas legendas e se filiarem ao PSD não passam de uma lorota.



Exceção
PPS e PT dizem que vão à justiça para recuperar os mandatos dos dois parlamentares infiéis e, consequentemente, a cassação de ambos. Na verdade a lei permite a ida de parlamentares eleitos por uma legenda para uma outra recém-criada sem que isto implique na perda do mandato por infidelidade partidária. É uma exceção existente na regra eleitoral vigente. Por isto a ameaça é lorota pura!



Castelo caiu
A queda de Sérgio Castelo Branco da presidência da Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia (CAERD) já era aguardada nos meios políticos pela falta de  conhecimento da área e por entrar em atritos com setores importantes do governo. O Castelo caiu por culpa dele mesmo. E por uma dose de arrogância. Ele inicialmente sonhava ser guindado à titularidade da Secretaria de Segurança Pública. Terminou exonerado pelo BLOG de forma humilhante.



Qualificada
Para evitar disputas partidárias pela vaga aberta com a queda do Castelo o governador Confúcio Moura indicou imediatamente para substituí-lo a paraibana Márcia Cristina Luna, engenheira dos quadros da própria Companhia. Uma solução técnica e inteligente encontrada pelo nosso oráculo antes que uma crise se instalasse naquelas bandas.  Trata-se de uma profissional da melhor qualidade e com as melhores qualificações.

Visita
A convite do Diretor Geral, este colunista visitou a sede do Departamento de Estradas e Rodagens (DER) e ouviu por duas horas ininterruptas uma explanação de Lucio Mosquini (Diretor) sobre os projetos do atual governo para manter nossas estradas em estado digno de serem transitadas. Além de outros projetos de rodovias.



Nova rodovia
A malha viária rondoniense é imensa e com problemas diversos, mas, pelo que foi dito, possível de solução. O que impressiona é o projeto em andamento da construção de uma nova rodovia que começara do Cone Sul a Guajará-Mirim. Um colosso. Resta aguardar pra ver se sai do papel. Mosquini garante que sim. Tenho dúvida devido aos custos e aos entraves ambientais que devem surgir assim que for anunciado o seu traçado.



Barulho
Até os 'candirus' do Madeira sabem o que significa pavimentar uma rodovia perto de reservas ambientais e estações biológicas. Sem falar nos hermanos silvícolas. Vai ser uma gritaria geral dos ambientalistas contra o projeto. Em todo caso: há um custo a ser pago pelo progresso e pelo conforto. Isso não importa em desrespeitar de forma vulgar e criminosa a legislação ambiental de Rondônia. Minimizando os impactos é possível que os gritos nem surtam efeitos.



Procrastinação
Um pedido de vista feito pelo deputado federal Inocêncio Oliveira (DEMO-PE) ao requerimento interposto junto a Mesa da Câmara Federal por Marcos Rogério (PDT) para que seja empossado na vaga de Lindomar Garçon (PV), apenas procrastinou a defenestração do parlamentar do Partido Verde de Rondônia. Não há mais nenhum recurso judicial disponível a Garçon para reverter a perda do mandato.



Impasse
O movimento paredista da Unir segue sem uma solução a curto prazo. Os amotinados exigem a renúncia do reitor eleito para retomar a sala de aula. Já o magnífico diz que não vai sair no grito e acusa os dirigentes que querem desalojá-lo do cargo de golpistas. De acordo com Januário, os 'cabeças' do movimento foram derrotados por ele nas últimas eleições para reitor e que as denúncias feitas estão sendo averiguadas por uma comissão do MEC. Criou-se aí o impasse.



Desgaste
Ambos os lados têm suas razões, o problema é que o calendário acadêmico está chegando ao fim e novas turmas de universitários devem ser convocadas a ingressar na Unir no início do ano que se avizinha. Politicamente o atual reitor está desgastado e dificilmente terá condições de concluir seu mandato sem sobressaltos, apesar das alegações de que é um movimento político com o único caráter de apeá-lo do cargo desrespeitando as urnas.



Hostilidade
Com o impasse é possível que o final desse imbróglio na Unir termine numa intervenção por uma prazo elástico até que a normalidade seja restabelecida, haja vista que uma nova eleição imediatamente somente aumentaria o clima hostil que se enraizou em nossa Universidade Federal.



Malefícios
Ninguém gosta de intervenção em tempos democráticos, mas o impasse e a radicalização instalada na instituição são mais maléficos para toda comunidade acadêmica.



Sintero
Independente de qual chapa saia vitoriosa hoje nas eleições para a direção do Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Estado de Rondônia (Sintero) o principal derrotado será o próprio sindicato. Quem assistiu a campanha das duas chapas percebeu que as acusações mútuas escondem interesses contrariados e outros inconfessáveis. O professor que é compelido a contribuir com o famigerado imposto sindical e alheio às virulentas brigas é quem perde com uma entidade que a cada dia definha. Tanto a chapa 1 quanto a 2 representam projetos políticos em detrimento dos interesses de seus filiados. Apesar de escamotearem esta realidade com mentiras na mídia.



Enxugamento 
O Incra encaminhou ao Palácio do Planalto uma proposta com mudanças estruturais para enxugar suas funções e tentar acelerar o programa de reforma agrária. O programa vem sendo criticado pelos movimentos sociais devido a sua lerdeza nesse primeiro ano do governo da presidente Dilma Rousseff.



Tabus 
Dentre as alterações em debate há dois assuntos tabus: a atualização de índices de produtividade (definem quais fazendas podem virar assentamentos) e a diminuição dos juros embutidos em processos em que fazendeiros questionam valor pago pelo Estado em desapropriação. 

Rua Getúlio Vargas, 2086 - Sala F
São Cristovão / Porto Velho - RO
Fone: 69 3229-0169 / 8439-0794
rondoniadinamica@gmail.com
© Copyright 2011 RONDÔNIA DINÂMICA COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA