Publicada em 06/04/2011 - 10h38min   /  Autor:  Rodrigo Vargas
Soldados da Borracha pedem indenizações de R$ 794 mi

Dez deles começaram a ser ouvidos ontem pela Justiça Federal em Porto Velho (RO), na primeira audiência de uma ação proposta em dezembro pelo Sindsbor


Seringueiros que atuaram como "soldados da borracha" durante a Segunda Guerra Mundial pretendem receber quase R$ 800 milhões de indenização dos governos do Brasil e dos Estados Unidos por conta de violações aos direitos humanos sofridas em seringais da Amazônia na década de 1940.

Dez deles começaram a ser ouvidos ontem pela Justiça Federal em Porto Velho (RO), na primeira audiência de uma ação proposta em dezembro pelo Sindsbor (Sindicatos dos Soldados da Borracha e Seringueiros de Rondônia).

Ao todo, cerca de 55 mil trabalhadores --a maioria, nordestinos-- foram arregimentados entre 1942 e 1946 pelo governo brasileiro para cumprir mais de 20 acordos firmados para o fornecimento de látex à indústria bélica americana.

Privados da produção do sudeste asiático, então sob o domínio japonês, os EUA resolveram à época financiar a reativação dos seringais nativos brasileiros, decadentes desde o final do século 19. No Brasil, a iniciativa foi chamada de "esforço de guerra" e os seringueiros, de "soldados da borracha".

No país, segundo a entidade, são 12 mil os remanescentes da iniciativa. Em Rondônia, os filiados ao sindicato são cerca de 4.000, com idades entre 83 e 92 anos.

A demanda judicial é liderada pelo cearense Claudionor Ferreira Lima, 86, presidente do sindicato e "ex-pracinha", como se intitula.

Ele conta que tinha 17 anos quando decidiu se "alistar". Natural de Jaguaruana (a 180 km de Fortaleza), diz que até então nunca tinha visto uma floresta. "Nem sabia o que era uma seringueira", diz.

As promessas de bons salários, assistência médica e passagem garantida na volta para casa, porém, escondiam a realidade. "Você já chegava devendo até a roupa do corpo. E nunca terminava de pagar. E, no meio daquele mato, não havia o que fazer", lembra.

SALÁRIO MÍNIMO

Na ação, o sindicato afirma que os acordos para o fornecimento de látex previam uma contrapartida financeira dos Estados Unidos para transporte, assistência à saúde e pagamento aos trabalhadores.

O dinheiro veio, afirma o sindicato, mas jamais chegou aos destinatários. "Os soldados da borracha foram esquecidos e o dinheiro sumiu. A responsabilidade é da União e também do governo americano, que não fiscalizou a aplicação dos recursos", diz o advogado do sindicato, Irlan Rogério da Silva.

Desde a Constituição Federal de 1988, os soldados da borracha podem requerer uma pensão vitalícia no valor de dois salários mínimos.

O valor total pedido na ação, R$ 794 milhões, corresponde, segundo o sindicato, a uma estimativa inicial desta mesma compensação aplicada desde 1942.

OUTRO LADO

Em contestação apresentada à Justiça, a AGU (Advocacia-Geral da União) disse que a demanda dos soldados da borracha está "sujeita à prescrição" e que danos morais e materiais não podem ser formulados "genericamente".

A Folha procurou a assessoria da Embaixada dos Estados Unidos em Brasília, que não respondeu até a noite de ontem.

COMENTÁRIOS

Assim fica muito difícil se acreditar nas coisas que o sindicato,pois nada de novo e sobre o que acontece, e ficamos todos a espera de novas noticias para os nossos soldados que um dia lutaram em prol do governo e hoje são esquecidos pelos nossos governantes.

luiz carlos

Postado em 19/09/2012 às 10:09

Esse dinheiro e por direito dessas familias ate pq nao foi nenhum dos seus familiares que lutou sofreu durante aquela guera,e mais o EUA ja mandou esse dinheiro para esses lutadores e o Brasil quer fica comendo o juro dessa bolada por direitos dos seringueiros

Priscila reis

Postado em 13/09/2012 às 20:57

se as autoridades que podem agir,por esta causa ,aGIR COMO QUE SENDO PARA ELES ,AGIR COMO OS PROPRIOS SOLDADOS DA BORRACHA AGIRAM ,SERA COMO RESGATE DE UM TESOURO QUE TRAS BENEFICIOS PARA OS QUE ESCAPAM DE UMA GUERRA QUE SAI VITORISO DE UMA LUTA DE UMA BATALHA E SE ALEGRA COM SEUS, COM SEU PAIS, PAIS DE HONRA,QUE HONRA SUAS DIVIDAS,QUE VALORIZA OS TRABALHADORES DE TODAS AS CLASSES, HOMENS ESTES,ESPOSAS, FILHOS,NETOS,TATARANETOS,BISNETOS. EU PERGUNTO,COM TODO RESPEITO A VOSSA ESSELENCIA GOVERNANTE DESTE PAIS E DEMAIS AUTORIDADE, NAO MERECEMOS DESFRUTAR DESTE TESOURO,DESTA BATALHA,DESTA VITORIA QUE A TANTO ESPERAMOS E ATER QUANDO MAIS SO DEPENDE DE VOSSAS AUTORIDADE E GOVERNANTES .AGRADECE PEDRO.

pedro pereira da silva

Postado em 23/07/2011 às 22:49

esses senhores hoje, já foram jovens cheios de sonhos de uma vida melhor, mais foram sabotados pelo governo trabalharam somente pela a comida pois seus direitos era não ter direito algum praticamente um trabalho escravo. meu avô foi saldado da borracha, morreu sem ver seus direitos reconhecidos minha avó que trabalhou a vida toda do lado dele nos seringaes também sofreu muito nos seringaes com seus filhos pequenos e sem ter o que oferecer a eles, minha mãe hoje com 65 anos conta historias muito tristes ocorrido nos seringaes. por isso eu tenho certeza de que eles merecem cada centavos pago pela a união, pois foi uma vida de sofrimento.

Rosilene Chaves de O liveira

Postado em 09/04/2011 às 10:43

esses soldados da borracha merecem sim mas do k uma idenizacoa pork eles vieram sofrendo der de criancas entao eu sou de acordo que agora esse sonho venha ser realizados

valdenice

Postado em 06/04/2011 às 20:32

Postar comentários sobre esta matéria no FACEBOOK

Rua Getúlio Vargas, 2086 - Sala F
São Cristovão / Porto Velho - RO
Fone: 69 3229-0169 / 8439-0794
rondoniadinamica@gmail.com
© Copyright 2012 RONDÔNIA DINÂMICA COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA