Os reais motivos da queda de Marden Negrão, ex-secretário de Trânsito de Porto Velho

UMA FRASE ÓBVIA QUE AS REDES SOCIAIS TRANSFORMARAM EM PURO BESTEIROL

“A inguinorânça é que astravanca o pogresso”. A frase famosa, de um humorista antigo, ironizava a ignorância que domina muitas coisas nesse país de 14 milhões de analfabetos totais e outros 35 milhões de analfabetos funcionais (os números oficiais estão no Google, se alguém quiser pesquisar), se aplica como uma luva para as redes sociais. O nível de desconhecimento é absurdo, assim como algumas opiniões, incluindo de gente mais “letrada”, que escrevem coisas sem pé nem cabeça, completamente fora do contexto.

São iguarias que poderiam encher alguns programas de humor e shows de stand up. Isso, é claro, quando não se lê frases como “a gente sabemos” ou “o çol onti estava quenti demàs”! e por aí vai. O comentário vem a calhar pela repercussão de uma frase simplória, óbvia, sem qualquer profundidade, mas realista, dita pelo governador Confúcio Moura, ao lançar a Infoparty 2017, uma feira de robótica e tecnologia que começa nesta sexta e vai até o domingo, no pátio do Palácio Rio Madeira/CPA.

Segundo ele, as pessoas não devem ter medo dos robôs, pois no futuro, “eles farão a maioria dos serviços e muito melhor!” Ah, pra que! Internautas (claro que alguns eivados de falta de conhecimento e a esses se perdoa), alguns bem esclarecidos, postaram nas redes sociais comentários absurdos, como se Confúcio tivesse dito alguma heresia. Houve quem escrevesse, por exemplo, que os robôs deveriam substituir os políticos, fazendo um gracejo completamente fora do contexto, sobre a nova e incontestável realidade.

Outro lembrou que a Revolução Industrial também ameaçava os empregos, mas que eles continuaram existindo, como se uma coisa tivesse ligação direta com a outra. Desfocadas, as cabeças não pensantes, que as temos em profusão nesse Brasil, tentaram transformar uma declaração clara, sem qualquer invencionice, apenas adequada aos novos tempos e aos dias de hoje, como se fosse uma ofensa aos trabalhadores.

Lamentável!

Confúcio, é claro, não disse qualquer heresia. Não aumentou. Não inventou. Falou algo tão óbvio que, a uma inteligência mínima (porque daí para baixo não há como se cobrar nada), se exigiria imediata compreensão e concordância. Claro que em suas postagens e muitas vezes, o Governador de Rondônia comete erros, fala (escreve) demais, exagera e até usa as redes sociais em assuntos que nelas não deveriam ser tratados.

Mas, vá lá! Não há que se exigir perfeição de ninguém. Só que, nesse caso, ao fazer um comentário simplório sobre nosso futuro, ele não disse nada de errado. Vamos usar os robôs sim para trabalhar para nós e eles farão o serviço muito melhor do que fazemos. Ponto final. Usar um comentário tão lógico como esse como cavalo político de batalha, com frases baseadas em besteirol puro, demonstra muito bem o nível de conhecimento de muita gente. Opinião é sempre importante, mas também é bom pensar antes de colocar o nome num comentário recheado de bobagem.

O TRÂNSITO ACÉFALO

Antes de completar um ano à frente da Secretaria de Trânsito da Capital, o especialista Marden Negrão entregou os pontos. Ele e seu adjunto Flávio Murilo Torres (os dois vieram de São Paulo, em janeiro passado, a convite do prefeito Hildon Chaves), deram adeus aos seus cargos. Oficialmente, ambos pediram demissão. Nos bastidores, a história é que Hildon cansou de esperar por soluções para o caótico trânsito de Porto Velho, o que os dois jamais conseguiram atingir. Pelo contrário, em muitos aspectos, o que já era ruim ficou pior ainda. Nem sequer medidas simples, como deixar os semáforos funcionando corretamente, conseguiram ser cumpridas. Nada deu certo para a dupla e a cabeça de Marden era pedida seguidamente na Câmara de Vereadores, com quem ele tinha relações extremamente recheadas de conflitos. Até a noite desta quinta, o nome do substituto de Marden não havia sido anunciado pelo Prefeito. Quase um ano depois, sem qualquer avanço, o trânsito da cidade fica acéfalo. E cada  vez pior...

JUNIOR E SEUS PROJETOS

Cara nova na política, o vereador Júnior Cavalcante, de Porto Velho, já pensa em saltos mais altos, embora destaque que quem vai decidir seu futuro será o eleitor, ao julgar seu trabalho. Ele fala no trabalho como vereador; nas relações com a administração Hildon Chaves; na busca de atender as comunidades e resume um pouco de suas ações, em entrevista ao programa Direto ao Ponto, da Record News Rondônia, neste sábado, 10h30 da manhã. Junior afirma que ainda não decidiu se disputará uma vaga à Assembleia Legislativa. Embora otimista, destaca que só o fará caso seja desejo do seu eleitorado. A atração, comandada por Sérgio Pires, vai ao ar simultaneamente pela SKY, no Canal 331 e pela Claro TV, Canal 441.1. No domingo, poderá ser acompanhada na íntegra no site Gente de Opinião e em outros sites de notícias do Estado.

FACTOIDES IDEOLÓGICOS

Criando um factoide, um tal de Tribunal Popular, abrigado no Ministério Público do Estado, não se sabe porquê, “condenou” o Estado e as empresas responsáveis pelos “impactos negativos” das construções das usinas do rio Madeira. Organizado por entidades como um tal Grupo de Pesquisa Energia Renovável e Sustentável; ONGs (todos sabemos quais os interesses da maioria delas); Conselho Indigenista, Pastoral da Terra e outros “movimentos populares”, os membros do tal Tribunal defendem, é claro, apenas a ideologia que os orienta. Discursos efusivos, alguns recheados de bobagens (embora em alguns momentos houvesse sim, sintomas de real preocupação com a coletividade), tomaram conta do encontro. Ainda imaginando que o Brasil não está mudando e que o discurso antiquado e ideológico vai voltar a comandar o país, como ocorreu até há pouco tempo, esse tipo de ação ignora os benefícios das usinas para Rondônia e para o Brasil e se alimenta apenas de argumentos que  engordam as próprias teorias. Será que esse tipo de ação ainda tem alguma guarida no Brasil de verdade?

VISÕES DA JUSTIÇA

Dois fatos completamente diferentes, registrados na absurda violência que nos cerca, foram registrados em Porto Velho, nessa semana. Embora com ações e vítimas diferentes, no final, em ambos os casos, os matadores estão soltos. Mas terá se feito mesmo Justiça em ambas as ocorrências? Num deles, um covarde assassinou brutalmente sua jovem esposa, de apenas 20 anos, por estrangulamento. Foi à Delegacia, confessou o crime e saiu pela mesma porta que entrou. Vai responder pelo crime em liberdade, até alguma decisão em contrário pelas vias judiciais. Em outro local da cidade, um pai desesperado matou um assaltante. Saía de casa com seu bebê no colo, quando foi abordado por dois canalhas numa moto. Correu para casa, pegou uma arma e atirou nos bandidos. Um deles morreu na hora e o outro fugiu, sem ser identificado. Enquanto o matador da mulher não precisou dar nenhuma explicação, o que defendeu a família teve que provar que tinha porte de arma, que é um cidadão de bem, que atirou em legítima defesa. Ambos saíram pela mesma porta que entraram, mas será que a mesma lei foi justa para os dois?

DISCURSO PUTREFATO

Pobres coitados, levados na conversa por malandros, por grupos que querem manter a hegemonia nas invasões, garantindo que as famílias podem entrar onde quiserem que estarão garantidas ao tomar terras na marra, continuam sofrendo e perdendo tudo o que têm. Velhos, crianças, mulheres, todos agora estão jogados ao desabrigo. O que está acontecendo em Candeias do Jamari, hoje, é apenas mais um retrato disso. Incentivados por irresponsáveis que nunca vão presos, porque nesse país do oba/oba as leis são só para alguns, 150 famílias foram despejadas do Acampamento Boa Sorte, porque a Justiça decretou reintegração de posse, já que a área, claro, tem dono. Nas redes sociais, os mesmos que incentivam as invasões dessa pobre gente, que no final é a única que perde, ainda tentam discursar, com frases como “mais uma vez a Justiça rondoniense está dando preferência à ocupação de terras a grileiros que não precisam de terra para viver, dentro de uma área de terra pública destinada à reforma agrária, ordenando o despejo de famílias que reivindicam a função social da terra de áreas públicas”. É uma conversa nojenta e enganosa, mas que ainda parece funcionar. Os chefões, com seus discursos fajutos e putrefatos, saem sempre ilesos. Já os pobres que eles enganaram e que lhes deram ouvidos, estão ferrados. Como sempre!

A PONTA DO ICEBERG

Em menos de dois dias, 140 quilos de cocaína pura foram apreendidos em duas regiões de Rondônia. Na primeira ação, a polícia desbaratou mais uma quadrilha de traficantes que agia a partir de Guajará Mirim e tinha tentáculos em Ariquemes e outras cidades. O grupo é grande: 14 pessoas que o compõem foram pegas. Já em Vilhena, quase na fronteira com Mato Grosso, uma ação da Polícia Rodoviária conseguiu interceptar uma carga de mais de 100 quilos de cocaína pura, buscada na Bolívia, que atravessou Rondônia e estava sendo levada para Minas Gerais. Obviamente que nos dois casos, vê-se apenas a pontinha do iceberg. Com os mais de 1.300 quilômetros de fronteiras de Rondônia com a Bolívia totalmente desguarnecidos, o grosso de drogas e armas continua transitando impassível por nossas rodovias, alimentando o crime organizado. De vez em quando alguém é preso, mas, no geral, o enorme contingente de bandidos que trazem armas e cocaína para o Brasil, continua agindo tranquilamente. O governo federal diz que não tem dinheiro para cuidar das nossas das áreas fronteiriças. Lamentável!  

PERGUNTINHA

Você acha que as grandes conquistas tecnológicas e científicas vão piorar sua vida, tirar empregos e lhe causar prejuízos ou, ao contrário, melhorarão as condições se sobrevivência sua e de todos? 

 

 

Autor / Fonte: Sérgio Pires

Leia Também

Comentários