Deixem o Confúcio em paz!

Deixem o Confúcio em paz!

Professor Nazareno*

A PGR, Procuradoria Geral da República, pediu que o ex-governador de Rondônia, o médico Confúcio Aires de Moura seja investigado pela justiça comum, já que o mesmo perdeu o foro privilegiado. Ele e mais outros quatro governadores podem agora ter seus processos analisados por instâncias inferiores da Justiça.

Confúcio Moura, nascido em Dianópolis/Goiás, hoje Estado do Tocantins, e que renunciou recentemente ao cargo de governador para concorrer a uma vaga de senador pelo MDB exerceu por dois mandatos consecutivos o maior cargo político de Rondônia. Se isto acontecer estaremos diante de uma das maiores injustiças de que se tem notícia na nossa política. Embora estejamos vivendo dias de civilidade no meio político, a possível condenação de Confúcio se caracterizaria como um dos maiores equívocos do Brasil.

À frente do governo do Estado durante oito anos, Confúcio foi uma espécie de Winston Churchill para os rondonienses. Para se ter uma ideia, no ocaso do seu “mandato de ouro”, ele mandou construir uma passarela no Espaço Alternativo para os porto-velhenses fazerem “fotinhas” para postar nas redes sociais.

Os rondonienses mais eufóricos e bairristas festejam essa obra futurística como uma grande vitória deste povo sofrido. Nenhum outro chefe de Estado em tempo algum teve esta ideia extraordinária. Rondônia só teve dois governadores em toda a sua história: Confúcio e os outros. É o que se ouve das pessoas e dos eleitores mais humildes. Estadista de primeira grandeza e amado pelo seu simplório povo, o ex-governador rondoniense bem que poderia ser indicado para a ONU, para a OEA ou para qualquer outra instituição de nível mundial.

Confúcio deixou marcas indeléveis no Estado. Na greve da Polícia Militar ainda no início do seu primeiro mandato, por exemplo, ele atuou como um diplomata. Sempre tratou os funcionários públicos do Estado com a maestria de um grande líder. Aumentos salariais sempre foram uma constante em sua “dourada” administração.

Governando os rondonienses usando apenas um simples blog, esse humilde médico do Tocantins superou em simpatia até o “Império da Roça” de Ivo Cassol. Na Educação é difícil encontrar um professor que não goste do ex-prefeito de Ariquemes. Até o sisudo Sintero, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação, tece loas em homenagem a ele. Rondônia com Confúcio Moura é uma, sem ele é outra completamente diferente e atrasada. Eleito senador, imagine-se o que ele não fará por Rondônia e seu sofrido povo.

Claro que Porto Velho é uma capital suja, imunda, fedorenta e podre. Mas o ex-governador tratou de dar um jeito. Mandou fazer esgotos e providenciou água tratada para os mais de 500 mil moradores da cidade. Vejam a situação do “açougue” João Paulo Segundo atualmente. Não é nem a sombra daquele que Confúcio encontrou no início de sua administração.

Em Porto Velho pessoas se fazem de doente só para serem internadas ali. Do pobre ao rico não há quem não queira receber os excelentes serviços daquele “Spa médico”.

Até escola de tempo integral Rondônia tem hoje. E graças a quem? Confúcio Moura deveria permanecer como governador deste Estado pelo terceiro mandato consecutivo, essa é a vontade do povo daqui. Será que não daria para mudar a Constituição? O Senado só ganhará com ele, que não devia ser julgado nem processado por nenhuma instância de Justiça. Afinal o “nosso senador” nunca fez nada!

*É professor em Porto Velho

Autor / Fonte: Professor Nazareno

Leia Também

Comentários